Videowall conquista espaço em escritórios no mundo todo

Empresas brasileiras investem em videowall para modernizar escritórios

Já há alguns anos, o videowall, do inglês parede de vídeo, se tornou uma tendência com o avanço da tecnologia de monitores e TVs. Composto por uma série de monitores de alta definição interligados exibindo uma única imagem, ele oferecem diversos tipos diferentes de aplicação e são muito comuns em ambientes internos e externos com grande circulação de pessoas como aeroportos, shoppings centers e estações de trem e metrô.

video wall lojas

video wall lojas

Porém, pela versatilidade, o videowall tem avançado em outras frentes. Os empresários enxergam nele um forma prática de decorar o escritório. “Depois de uma viagem ao exterior, voltei decidido a implantar, no mínimo, uma unidade. Escolhemos montar um na recepção, e outros dois na parte interna, um na sala de reunião principal e outro no centro do nosso escritório. Notícias importantes sobre economia e política mantém nosso corpo de funcionários cientes de tudo que acontece no Brasil e no mundo”, diz Yossef Salameh, sócio de uma corretora de valores em São Paulo.

“O videowall é imponente, ele passa uma imagem vencedora para a empresa. Quando qualquer parceiro, seja fornecedor ou cliente, visita o escritório e é recebido por um monitor gigantesco, ele muda o seu olhar. A decoração de sua sede é a primeira forma de expressão de uma marca”, explica a arquiteta Silvie Ventturini. “É o mesmo motivo que leva o empresário a se instalar em áreas nobre como a região da Avenida Paulista, Berrini, Faria Lima ou Alphaville, em São Paulo, ou Wall Street, em Manhattan, o endereço já mostra ao mercado o status da empresa. A estrutura do escritório segue o mesmo padrão. E o videowall enche os olhos”, ela completa.

Além do valor como decoração hi-tech, o videowall traz inúmeras vantagens práticas aos seus usuários. “Ao contrário de um projetor, ele pode funcionar com a iluminação ao máximo, e podemos escolher por usar uma imagem única, maior, ou compor o vídeo com diferentes fontes de conteúdo. Quase sempre mantemos abertos canais de notícias, como a Globo ou Band News, e principalmente, informações sobre a bolsa de valores”, conta Yossef.

Em outros países, é comum se deparar com o videowall em prédios comerciais e nos próprios escritórios. No hall de entrada do Edifício que hospeda o Canada Council for the Arts, em Ottawa, recentemente, foi instalado um videowall interativo gigantesco, que mistura funcionalidade e arte encantando os visitantes. O lobby do San Francisco Utilities Comission, nos Estados Unidos, também aposta na beleza e interatividade para se diferenciar.

No Brasil, ainda temos projetos mais modestos de videowall, comparados ao estrangeiros, mas a tecnologia ganha força, sobretudo em espaços voltados para o público A+, como o shopping JK Iguatemi, em São Paulo. “Dentro dos escritórios e decorando seus arredores, a cada dia a tecnologia está mais presente no nosso cotidiano”, fala a arquiteta Silvie. “Estamos vivendo um momento interessante, e estou curiosa sobre onde a tecnologia vai nos levar em dez anos”.